25 de jun de 2007

Sexo, Desvio e Danação


Durante séculos, os historiadores têm estudado a guerra e o dinheiro, as leis e a religião, porém só recentemente eles se voltaram para o estudo em profundidade do instinto primitivo da humanidade: a ânsia de se reproduzir e desse modo perpetuar a espécie através do sexo. O tabu intelectual atesta desse modo o poderoso legado do pensamento e dos ensinamentos cristãos na civilização ocidental. No século XIX, passagens que lidassem com questões sexuais em textos antigos eram deixadas na"obscuridade decente de uma linguagem clássica". A cristandade foi, desde seus primórdios, uma religião negativa quanto ao sexo e os pensadores cristãos o encaravam na melhor das hipóteses como um mal necessário, lamentavelmente indispensável para a reprodução humana, mas que perturbava a verdadeira vocação de uma pessoa: a busca da perfeição espiritual.

(Na gravura, uma casa de banhos para prostitutas no século XVI. Parte integrante da vida urbana desde a Idade Média, as prostitutas eram segregadas pela Igreja e pelo Estado, que adotava uma postura semelhante à utilizada em relação a leprosos, ou seja, elas seriam diferenciadas do restante da população pela prescrição de uma marca de infâmia, geralmente com códigos de vestimenta distintivos e atuando em zonas da "luz vermelha").
Recomendação do dia: o livro "A Invenção da Pornografia", org.Lynn Hunt, Ed.Hedra - Obra que relaciona o surgimento da obcenidade com os momentos de formação da modernidade e democratização da cultura do Ocidente...Sim, a pornografia tem sua história e, entre heréticos, livre-pensadores e libertinos, autores como Sade colocaram à prova o "decente", questionando os relacionamentos sexuais e sobretudo sociais.