8 de jul de 2007

Pela Glória do Império


"O inglês nasce com um certo poder milagroso que o torna senhor do mundo. Quando deseja alguma coisa, ele nunca diz a si próprio que a deseja. Espera pacientemente até que lhe venha à cabeça, ninguém sabe como, a insopitável convicção de que é seu dever moral e religioso conquistar aqueles que têm a coisa que ele deseja possuir..." Assim referia-se o dramaturgo inglês Bernard Shaw sobre os métodos de conquista empregados pelos ingleses durante o Neocolonialismo. A partir da metade do século XIX, na ânsia pela descoberta de novas fontes de matérias primas e de novos mercados consumidores, os europeus partem para a conquista de áreas desconhecidas. Desta forma, as marginalizadas África e Ásia foram os alvos preferenciais do Imperialismo e de disputas territoriais, prenúncios de tormentos somente compreendidos diante dos horrores da Primeira Guerra Mundial.

Recomendação do dia: o livro "O Fantasma do Rei Leopoldo", de Adam Hoschild, Ed.Companhia das Letras, que nos mostra a pilhagem genocida exercida pelo rei da Bélgica Leopoldo II ao longo do vasto e inexplorado território que circundava o rio Congo, relatando detalhes macabros, tais como casas e jardins de orgulhosos oficiais belgas decorados com crânios humanos. Tais crimes geraram o primeiro grande movimento por direitos humanos do século XX.