17 de out de 2011

Casamento Real


Em 1760, José II, filho mais velho da imperatriz austríaca Maria Teresa, protagonizou com uma princesa italiana, Isabel de Parma, o enlace matrimonial mais luxuoso de que se tem notícia. Celebrado em Viena e apesar de haver contado com um grande desfile de carruagens e um concerto, teve como principal destaque o banquete realizado após as bodas e que foi retratado por Martin van Meytens, pintor da corte. Na cabeceira da mesa encontram-se a imperatriz e seu marido Francisco; junto a eles estão os noivos e demais membros da família real, únicos que poderiam desfrutar das delícias preparadas. Sobre a mesa, se dispõe uma vasilha de ouro maciço, presente da família da noiva (nessas ocasiões mostravam-se porcelanas muito valiosas e decoradas, utilizadas apenas para exibição e não para consumo). O serviço de mesa não estava a cargo dos criados reais e sim de membros da alta nobreza, que consideravam uma honra trabalharem como garçons ou copeiros (vários deles usam vestidos negros, de tradição espanhola, contrastando com com a moda francesa dos demais). A refeição era feita acompanhada por músicos que interpretavam a "Tafelmusik", música de mesa, sendo que a apresentação de cada prato era anunciada por um repique de sinos. Finalmente, quanto à assistência, era livre; os banquetes eram cerimônias públicas às quais podiam assistir praticamente qualquer cidadão, contanto que se vestissem com elegância. Uns poucos guardas bastavam para manter a ordem.