11 de nov de 2007

Cidade Romana na China


Embora não haja nenhum registro histórico da chegada de romanos à China, vestígios de sua presença podem ser encontrados na província de Gansú. Ali, ao lado de moedas com efígies de imperadores romanos lá encontradas, podem ser vistos chineses de cabelos castanhos e olhos claros que afirmam ser descendentes de legionários que ali viveram em aproximadamente 50 A.C. Esses romanos teriam vindo da Turquia, a 6.400 km de distância, após uma estranha jornada que começou quando suas legiões foram cercadas e derrotadas por exércitos da Pártia. Cerca de 20.000 romanos foram mortos e 10.000 aprisionados, dos quais metade foi para o Afeganistão e a outra metade, seguindo a famosa rota da seda, foi para a China. Ali os prisioneiros ensinaram táticas militares a guerreiros chineses, tais como as formações de escama de peixe e couraça de tartaruga (gravura), além da utilização de paliçadas duplas para a defesa de fortes. Apesar de libertados, não retornaram à sua pátria; isso explica-se pelo fato de que, caso chegassem à Roma, perderiam a cidadania e seriam escravizados por terem se rendido em batalha e transformado-se em mercenários. Fundaram então a cidade de Li Jien (Roma, na antiga nomenclatura chinesa) da qual hoje só permanecem poucas e mal conservadas ruínas.

Recomendação do dia: O livro "Declínio e Queda do Império Romano", de Edward Gibbon, ed.Companhia de Bolso, um clássico dos clássicos onde o autor, irônico e contundente, apresenta o que considerou o "triunfo da barbárie e da religião" sobre as nobres virtudes romanas.