15 de jul de 2005

O Grande Medo


Ontem, 14 de julho de 2005, dei os retoques finais no blog; espero compatilhar conhecimentos e emoções! Ontem foi também feriado nacional na França. Comemorou-se a queda da Bastilha, episódio que a historiografia tradicional marca como início da Revolução Francesa. Na verdade, esse movimento deve ser visto como um processo, onde deve ser levado em conta aspectos econômicos e sociais. Um deles foi chamado de "O Grande Medo de 1789" (tema de um estudo clássico do historiador francês Georges Lefebvre) , assunto praticamente desconhecido de nossos estudantes e que trata de um momento dramático e misterioso: uma semana após a queda da Bastilha multiplicavam-se boatos, tanto no campo, quanto nas cidades, de que "bandidos" estariam vindo...Quem seriam esses "bandidos"? De onde viriam tais boatos? Foi o caráter "misterioso" desse "Grande Medo" que o transformou em um ítem polêmico da historiografia sobre a Revolução. A principal versão é a de que tal medo seria um esforço contra-revolucionário, isto é, de que elementos hostis à revolução lançavam boatos para desgastar o movimento popular aterrorizando seus próprios participantes, dando a versão de que camponeses revoltados ameaçavam queimar ou pilhar aldeias vizinhas, caso suas populações não se dispusessem a acompanhá-los. A tática deu resultado, aldeias pegavam em armas para se defenderem de seus "agressores"; o povo metia medo a si mesmo... A propósito...Você tem medo do MST?

(O desenho retrata a tomada da Bastilha, na verdade uma prisão que estava em vias de ser desativada e que no momento de sua invasão tinha apenas sete presos comuns, vivendo sob um regime bem melhor que o de outras prisões)
Recomendação do dia: O DVD "Danton - O Processo da Revolução", direção de Andrzej Wajda - Quatro anos após a Revolução Francesa, um violento processo político toma conta do país. Danton, homem do povo e um dos líderes da revolta, questiona os rumos do movimento e se torna mais uma vítima do terror instaurado por seu amigo Robespierre.